Bons hábitos de higiene ajudam a evitar o câncer de pênis

31 de Março de 2017

Doença é tratada cirurgicamente na maioria dos casos

Alterações na pele que cobre o pênis, tais como nódulos, inchaços ou feridas com secreção e sangramento, podem ser sinais de câncer. Embora nem sempre sejam indicadores da doença, a atenção a esses sintomas é muito importante porque quanto mais cedo for detectado um possível tumor, maiores as chances de evitar o agravamento do problema.

Segundo o urologista diretor da Clínica do Homem, Francisco Costa Neto (CREMEB – 9264), na maioria das vezes este tipo de câncer acomete homens com idade acima de 50 anos, sobretudo aqueles que não foram submetidos à circuncisão (remoção do prepúcio, pele que reveste a glande – a “cabeça” do pênis). A doença está relacionada à inadequada higiene íntima e também à infecção pelo vírus HPV (papiloma vírus humano), como sugerem alguns estudos.

De acordo com o Instituto Nacional do Câncer (Inca), no Brasil esse tipo de tumor representa 2% de todos os tipos de câncer que atingem o homem, sendo mais frequente nas regiões Norte e Nordeste. O baixo índice, no entanto, não deve ser subestimado, principalmente se levarmos em conta a subnotificação dos casos. “Em geral, as lesões iniciais são indolores, levando a um diagnóstico pouco preciso da doença”, ressalta o urologista.

Tratamento – Ao ser detectado, o câncer de pênis é tratado cirurgicamente, na maioria das vezes. “Se diagnosticado precocemente, o tumor pode ser removido com pouco ou nenhum dano ao pênis”, informa Francisco Neto. Caso contrário, a remoção do órgão por inteiro pode ser necessária. Além disso, a quimioterapia geralmente é indicada em casos de doença avançada ou metastática. Em alguns casos, a radioterapia pode ser considerada.

“Ao detectar qualquer anormalidade na aparência do órgão, deve-se procurar o quanto antes um especialista, porque somente assim o paciente vai garantir o tratamento adequado com real possibilidade de recuperação”, alerta o médico. O uso de preservativo nas relações sexuais é outro cuidado importante, bem como a cirurgia de fimose. “O procedimento expõe a glande, impedindo o acúmulo de esmegma – secreção que sai do pênis – e facilitando a higienização do local”, diz o diretor da Clínica do Homem.

Fatores genéticos podem predispor o homem ao câncer de pênis, mas a higiene íntima adequada contribui decisivamente para evitar a doença. “Puxar o prepúcio e lavar a glande com sabão e água corrente é fundamental para que o esmegma não se acumule e cause lesões cancerígenas”, orienta o especialista.

Share
Postado em Destaques por Carla Santana | Tags: ,