Novo contraceptivo masculino: por que foi cancelado

4 de novembro de 2016

O ‘sonho’ do anticoncepcional masculino está mais próximo, mas ainda não foi dessa vez. Um estudo publicado recentemente no periódico científico Journal of Clinical Endocrinology and Metabolism, mostrou a eficácia de quase 96% de um contraceptivo masculino aplicado na forma de injeção. Entretanto, as pesquisas foram canceladas após cerca de 6% dos participantes relatarem efeitos colaterais “intoleráveis” como depressão, dor muscular, alterações de humor, de libido e acne.

No estudo, realizado por pesquisadores americanos e co-patrocinado pela Organização das Nações Unidas (ONU), os cientistas aplicaram injeções de uma mistura de 1.000 mg de testosterona sintética e 200 mg de enantato de noretisterona, essencialmente, um derivado dos hormônios femininos progesterona e estrogênio, que na forma sintética é chamado de progestina.

Participaram do estudo, que teve início em 2008, 320 homens férteis, com idade entre 18 e 45 anos e que estavam em um relacionamento sério. A cada oito semanas, os voluntários recebiam uma dose da injeção. Segundo Seth Cohen, urologista do Centro Médico NYU, em entrevista à rede americana CNN,  quando um homem recebe uma dose de testosterona “seu cérebro entende que seu corpo já tem hormônio suficiente”. Sendo assim, o corpo simplesmente para de produzir testosterona que também reflete na produção de esperma pelos testículos.

Fonte: http://veja.abril.com.br/saude/novo-contraceptivo-masculino-por-que-ele-foi-cancelado/

Postado em Notícias por Carla Santana | Tags: